SELECIONADOS PARA O PRÊMIO DESTERRO 2012 – 3° FESTIVAL DE DANÇA DE FLORIANÓPOLIS


CRÉDITO: CLAUDIO ETGES/DIVULGAÇÃO

Cia. de Dança de Garopaba Atitude, Garopaba (SC).

Eliane Fetzer Centro de Dança, Curitiba (PR).

Grupo Folclórico Tropeiros do Litoral, Itapema (SC).

Laboratório de Dança, Porto Alegre (RS).

A organização do Prêmio Desterro 2012 – 3° Festival de Dança de Florianópolis recebeu mais de 460 coreografias de todas as regiões do País na primeira etapa de inscrição, encerrada no último dia 15. Provenientes da Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins, os candidatos concorreram a vagas nos subgêneros solo, duo, trio e conjunto, nas categorias júnior e adulto, nos nove gêneros competitivos.
Os trabalhos foram avaliados por intermédio de vídeos pelas comissões artística e executiva, que selecionaram 167 deles. Foram aprovados sete balés clássicos, 13 balés clássicos de repertório, 45 danças contemporâneas, 11 danças de salão clássica, 12 danças de salão contemporânea, 12 danças populares, 26 danças urbanas, 31 de jazz e 10 sapateados. Por subgênero, classificaram-se 22 solos femininos, 17 solos masculinos, 44 duos, 14 trios e 70 conjuntos, sendo 45 coreografias na categoria júnior e 122 na adulto.
Agora, corre o prazo para finalizar o processo de inscrição, com o pagamento da taxa e remessa dos demais documentos exigidos até o dia 13 de julho, via Sedex (valendo a data do carimbo dos Correios). A relação definitiva dos grupos confirmados e o cronograma de apresentações serão publicados posteriormente no site oficial www.premiodesterro.com.br. O evento ocorrerá de 10 a 12 de agosto, no Teatro Governador Pedro Ivo, anexo ao Centro Administrativo de Governo do Estado de Santa Catarina, e distribuirá uma premiação total de R$ 21 mil – uma das maiores do Sul do Brasil.
O Prêmio Desterro 2012 é realizado com patrocínio da Prefeitura Municipal de Florianópolis – por meio da Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes e Lei Municipal de Incentivo à Cultura – e apoio da cooperativa de trabalho médico Unimed Grande Florianópolis, Boteco da Ilha Chopperia e Bar, Seu Beltrano Boteco Lounge, Dance Plus e Hantei Engenharia.

Crescimento

O número recorde de inscrições enviadas, que praticamente quadruplicou em relação ao ano passado, surpreendeu os diretores do festival, apesar de o aumento da quantidade já ter sido esperado. “Neste ano, fizemos uma divulgação mais dirigida aos bailarinos, criamos o gênero dança de salão contemporânea e abrimos todos subgêneros para os nove gêneros competitivos nas duas categorias, júnior e adulto, gerando mais possibilidades de participação”, explica Carlos Eduardo de Andrade, um dos organizadores. Nas edições anteriores, havia limite de trabalhos por grupo e à categoria júnior eram só permitidas coreografias de conjunto.
Para a diretora artística, Bia Mattar, a credibilidade conquistada entre os participantes também contribui para que o interesse dos bailarinos cresça e se expanda. “Quem veio sentiu-se bem recebido, viu que as propostas foram cumpridas, gostou e retorna. Já faz parte do seu calendário”, observa ela, lembrando que “o boca a boca é fator importantíssimo”. E isto se estende aos jurados. “Eles são os nossos maiores porta-vozes. Saem daqui fascinados e depois comentam”.
Daniel Pozzobon, também idealizador do Prêmio Desterro, considera que, além do prestígio já alcançado, “o fato de se colocar a seleção por vídeo dá a ideia de um evento de qualidade”, o que estimula a procura. Somam-se ainda os contatos com outros eventos de dança e a parceria com outros festivais semelhantes.

Palcos parceiros

A partir de 2012, estão sendo firmadas parcerias com eventos competitivos de dança. Por meio de um acordo entre os seus organizadores, como parte da premiação, o campeão geral de cada festival ganha o direito de inscrever uma coreografia para concorrer no Prêmio Desterro, livre de taxas e sem passar pelo processo seletivo, independente da quantidade de integrantes e do gênero escolhido.
O primeiro deles foi a Cia. Núcleo Corpóreo, de Balneário Camboriú (SC), que venceu o Festival de Dança de Timbó (SC), em maio, com a dança contemporânea “Trações”, de Fernando Dalla Nora. O segundo foi o Grupo IOA Dança, de Jundiaí (SP), que apresentou diversos trabalhos e conquistou o troféu de melhor grupo no 23° Festidança – Festival de Dança de São José dos Campos (SP), realizado no início de junho. Cada um poderá competir com mais uma coreografia, além destas que foram aprovadas na seleção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário